segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

POSTO DE SAÚDE MAIS UMA VEZ PREJUDICADO

 




Governador mente, Secretário de Saúde Humberto Lucena mente, Superintendente da Região de Saúde Sudoeste, Sra. Lucilene Maria Florêncio mente e a gerente da unidade Helena Isouda também mente, enfim, todos mentem, enganam e perseguem a Unidade Básica de Saúde (UBS) de Vicente Pires.


Criaram inconsistência na equipe de Saúde de Vicente Pires, de forma proposital, para não pagar gratificações e prejudicar diretamente toda a população.

Os servidores da UBS VP são todos  de Taguatinga somente quando lhes convém, como para  cobrir escala no HRT.               Consideram que todos são da regional e que Vicente Pires tem equipe de saúde de família para cobrir as faltas, mas para pagar as gratificações, Vicente Pires não pertence a regional e não tem equipe...  dá para entender?


A Perseguição à UBS não começou agora, mas no inicio do atual governo, quando a unidade passou a ser a melhor do Distrito Federal. Por inveja de não conseguirem nosso feito em nenhum outro lugar do DF, passaram a nos prejudicar. Primeiro tiraram nossos móveis, nossa farmácia, nosso farmacêutico, servidores e somente não fecharam porque manifestamos, fechamos vias e brigamos muito.


Enviaram gerentes para nos prejudicar, nós brigamos e elas se foram, mas quando uma deu certo e passou a trabalhar em prol da cidade, exoneraram. Isso mesmo: exoneraram a única gerente CONCURSADA que tinha total aceitação dos moradores, para colocar por indicação uma “amiga” aposentada que não é líder, mas CHEFONA, que faz apenas o que o “sargentão” Lucilene manda, que é prejudicar a UBSVP.


Em nota, a Superintendência de Saúde Sudoeste mente, a respeito das ações em curso, extremamente nocivas à comunidade de Vicente Pires e aos servidores da UBS, localizada nesta cidade.

Utilizando-se de argumentos falsos, lança mão de mera retórica para tentar confundir a nossa comunidade. A despeito de nossas justas reinvindicações, para manter e incrementar os serviços de saúde em nossa cidade, a superintendente alega que, em nenhum momento, houve a intenção de desativar a UBS.


Claro que a realidade, por si só, reforça os nossos temores e corrobora com a tese de que o governo vem desmontando os serviços públicos de saúde, objetivando tão somente a terceirização, modelo esse, comprovadamente, danoso à população assistida. O primeiro passo para isso é desmotivar e perseguir os agentes públicos, os servidores que nos atendem. No caso de Vicente Pires, temos uma equipe qualificada e comprometida que, mesmo com a troca arbitrária da gerência, culminando na saída de outros chefes que não concordam com a postura autocrática e alienada da nova gestora, ainda assim, se mantêm firmes, no propósito de bem servir.

Aduz a superintendente que a retirada de uma gratificação devida aos servidores que trabalham na unidade de saúde, era "indevida" e "ilegal", pois, a mesma só poderia ser concedida onde há equipe de Estratégia de Saúde da Família (ESF). Ora, se a superintendência desprezou todos os esforços envidados pela antiga gerente, equipe e comunidade para implementar as equipes de ESF, tendo inclusive, locais cedidos, para tal, como ela justifica a manutenção de 3 médicos da família na UBS, se o mesmo não tem a equipe cadastrada?
Além dos médicos, tem ACS, técnicos de enfermagem e enfermeiros dispostos e aptos a trabalharem na equipe. O que falta para que isso seja feito? Temos os profissionais, os locais, áreas vulneráveis e população a ser assistida, dentro do que é preconizado pelo Programa, nas diretrizes do Ministério da Saúde. Qual o motivo para não termos uma  ou mais equipes de ESF, nessa UBS? Por que, a população assistida na Vila São Jose, que faz parte da Região Administrativa de Vicente Pires está alocada no Centro de Saúde 02 (Praça do Bicalho, em Taguatinga)?

Eu lhes respondo! Tudo não passa de mero capricho e falta de competência dessa superintendência! Tenho certeza que essa gestora não conhece a realidade de Vicente Pires e adjacências. Aliás, dado ao seu histórico errante, pulando de Regional em Regional, e quase sempre, "expulsa" pelos servidores e comunidade, está comprovada a sua incompetência e inabilidade para lidar com gente e o que há de mais sagrado para o ser humano, a saúde!

Ela, do alto de sua prepotência e poder (temporário), decidiu que a população daqui merece ser massacrada e perseguida! É determinação direta da mesma que os servidores daqui sejam tratados de forma diferenciada, com supressão de direitos, a fim de extinguir o nosso serviço, por falta de contingente... Por fim, alega que o Conselho de Saúde de Vicente Pires não é legítimo, desprezando o processo participativo que culminou com a eleição da atual diretoria, da qual sou Presidente.

Ainda falta a publicação da nossa eleição, que é de responsabilidade da superintendência. Essa demora em dar publicidade é mais um ato de violência contra os preceitos democráticos e participativos da comunidade de Vicente Pires!  Se não bastasse tudo isso, a própria Lucilene, logo a após minha eleição, andou procurando algo sobre minha vida para tentar me desqualificar do cargo. "O poder emana do povo, e para o povo!" Não aceitaremos ser prejudicados, sem reação! Já procuramos o MP,  Conselho de Saúde do DF e demais autoridades de controle, além da mídia, para denunciar esse absurdo que acontece na maior superintendência de saúde do DF!

Por fim, entristecidos, preocupados e revoltados com tudo isso, constatamos que, por mais que os gestores da Secretaria e o próprio governador digam que o posto não será fechado, isso ocorre de forma gradativa e ninguém está percebendo. Estão mentindo todo o tempo e o fato é que, só na gestão do “sargentão” Helena Isouda, perdemos a chefe de enfermagem, uma médica da família que pediu hoje (16/01/2017) para sair de Vicente Pires e a nutricionista.

Os demais funcionários não querem continuar na unidade.


É ou não é motivo para revolta geral da população? Conclamo a todos para reagirmos, pois esta população já é demasiadamente desassistida de serviços públicos. Não é possível que nosso “brio cidadão” não aflore desta vez e lutemos de uma vez por todas por nossa UBS.

-->
Gilberto Camargos.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

JORNAL CONVERSA INFORMAL JANEIRO DE 2017









sábado, 31 de dezembro de 2016

QUEBRANDO O SILÊNCIO: ABUSOS SEXUAIS



Mãos que protegem, socorrem, ensinam, cuidam, amam, auxiliam, alegram, FEREM, QUEBRAM O SILÊNCIO...

“Não conte para ninguém. Este será o nosso segredo.”
“Ninguém acreditaria em você.”
“Se você contar, seus pais o odiarão. Eles saberão que a culpa foi sua.”
“Você não quer ser mais meu amigo especial?”
“Você não quer que eu vá para a cadeia, não é mesmo?”
“Eu matarei seus pais se você contar.”
Crianças que estão sofrendo violência, mas permanecem em silêncio devido as ameaças que são feitas pelos agressores.  O problema é crescente em Vicente Pires, 26 de Setembro e região. Tamanho é o aumento que nossa cidade conta com o maior índice do Distrito Federal. Não há uma explicação para o aumento dos casos. Porém, na atualidade, houve a necessidade de trabalho de todos os membros da família. Pai e mãe saem para trabalhar e a criança fica sozinha em situação vulnerável. Às vezes, fica com padrasto ou o padrasto chega mais cedo que a mãe do trabalho e acaba abusando da criança, por exemplo.

A maioria dos casos de abusos contra crianças tem como suspeitos os parentes de babás, padrastos, vizinhos, irmãos e o próprio pai. 

É muito triste uma professora que acompanha a criança todos os dias, notar que a criança não segura mais o cocô e suja as roupas. Ao avisar a mãe por várias vezes e nada acontecer, descobre que a criança teve que tirar todo o intestino e usar uma bolsa de colostomia, porque “um cabo de vassoura” machucou o ânus da criança... História contada por quem devia proteger... Ou uma criança de 4 anos viciada em fazer sexo oral com homens, ou mesmo ver o abusador dizendo em depoimento que uma criança de 4 anos era safadinha e sempre seduzia os homens...Todos casos são fictícios ... Mas poderia estar acontecendo em sua família...Pare pense e atente...

Os pais têm que estar sempre atentos ao comportamento do filho. Observar se ele está quieto ou agressivo, que são sinais de que algo não está certo. As vítimas hoje são meninos ou meninas e o problema atinge a todas as classes sociais.

A prevenção contra o abuso é a conscientização da população. As famílias têm que saber que pode acontecer um abuso em qualquer lar. Principalmente as mães devem estar sempre observando o comportamento das crianças. Nas escolas, professores, principalmente, também devem estar atentos e na dúvida denunciar na polícia ou no conselho tutelar.

Aprenda como identificar se os filhos estão sendo vítimas de abuso e como evitar que isso ocorra. Existem algumas mudanças que podem acontecer quando uma criança está sendo vítima de abuso sexual.  Elas ficam retraídas, mais introspectivas, podem aparecer dificuldades escolares, antes inexistentes, dificuldade de se relacionar e até mesmo de brincar. Esses comportamentos isolados não indicam totalmente que a criança foi ou está sendo abusada sexualmente. O mais importante é que essa criança seja ouvida pelos adultos, sejam eles, pais, familiares, professores, etc. É fundamental que diante da revelação de abuso sexual infantil, a palavra da criança seja sustentada. Porque, o que se percebe, em muitos casos, é que a criança faz um grande esforço para romper o silêncio do abuso sexual e quando o faz, os adultos afirmam que ela está inventando ou fantasiando. Nesse sentido, a criança torna-se vítima duas vezes: do abuso sexual e da incredulidade dos adultos.

O número de crianças e pré-adolescentes do sexo masculino vítima de abusos sexuais cresceu assustadoramente nos últimos dois anos e os principais acusados de crimes contra crianças e pré-adolescentes do sexo masculino são tios, irmãos e vizinhos. No caso de meninas, os principais abusadores são os padrastos.
DEPOIS de usarem crianças para satisfazer paixões pervertidas, depois de lhes roubar a segurança e o senso de inocência, os molestadores de crianças ainda querem algo mais de suas vítimas — O SILÊNCIO. Para garantir esse silêncio, usam a vergonha, o segredo, e até mesmo o franco terror. Rouba-se das crianças a sua melhor arma contra o abuso — a vontade de contar, de falar e pedir a proteção de um adulto.
Tragicamente, a sociedade adulta, não raro sem querer, colabora com os que abusam de crianças. Como assim? Por se recusar a reconhecer esse perigo, por promover uma atitude de silêncio sobre isso, por crer em mitos muitas vezes repetidos. Ignorância, desinformação e silêncio protegem os abusadores, não as suas vítimas.
O sábio Rei Salomão disse a seu filho que o conhecimento, a sabedoria e o raciocínio poderiam protegê-lo do “mau caminho, do homem que fala perversidades”. (Provérbios 2:10-12) Não é exatamente isso que as crianças necessitam? 

Para a maioria das crianças o sexo é um assunto tabu sobre o qual recebem poucas informações exatas, especialmente não de seus pais.” Não permita que seus filhos sejam as “vítimas ideais”. Eduque-os a respeito de sexo. * Por exemplo, nenhuma criança deveria atingir a puberdade sem saber das mudanças pelas quais o corpo passará durante esse período. A ignorância as deixará confusas, envergonhadas — e vulneráveis.

A prevenção contra o abuso pode ser ensinada desde bem cedo. Ao ensinar seus filhos o nome de partes do corpo como vagina, seios, ânus, pênis, diga-lhes que nada há de errado com essas partes, são especiais — mas privativas. “Outras pessoas não têm permissão de mexer nelas — nem mesmo a mamãe ou o papai — e nem mesmo um médico, a menos que a mamãe ou o papai estejam presentes ou deem permissão. O ideal é que tais declarações venham de ambos os pais ou de cada um dos guardiães adultos.

Quebre o silêncio, denuncie! dique 100

Gilberto Camargos